jump to navigation

Regra de Exposição – M&M 02/18/2009

Posted by Ágatha Guedes in Opinião e Bate Papo.
6 comments

Bom, antes de mais nada – LEIAM O POST ANTERIOR. Pronto, agora me sinto mais segura para continuar.

———————————————————————————————-

Bom, em primeiro lugar, queria comunicar às pessoas que estão comentando que tem o blog de resposta como “Blogspot”, estou tendo problemas para comentar nestes blogs, então, assim que der eu respondo aqui mesmo.

———————————————————————————————-

Segundo lugar, o que eu queria realmente fazer nesse post.

Exposição

A tabela de exposição vem para auxiliar os mestres de Mutantes e Malfeitores que querem criar uma intriga a mais na hora de desenvolver os acontecimentos em torno de um super herói, fazendo com que fique mais difícil para o mesmo esconder sua identidade secreta (caso haja uma). Pode ser que alguns estejam com dificuldade, ou simplesmente falta de idéias na hora de contribuir para complicar a vida dos jogadores.

A regra de Exposição é baseada nas ações dos personagens dentro do jogo, levando em conta que os jogadores usarão seus poderes em público, darão entrevistas e agirão como “super heróis” que conhecemos. Para padronizar a perseguição e influência da mídia na vida dos heróis, segue a tabela abaixo.
Ps.:  Lembrando-se que estamos tratando de casos extremos, não queremos atribuir regras para momentos simples da vida de um herói.

1 – Caso o herói seja visto realizando alguma ação ílicita (ou pareça que esteja fazendo isso)

Reação: Os jornais locais e os programas sensacionalistas vão cair em cima, criando variáveis do nome do herói, fazendo de tudo para que a população o veja como vilçao

2 – Caso o herói se envolva em algum problema que envolva a morte de inocentes.

Reação: A mídia vai fazer questão de divulgar como a tentativa do herói foi ineficiente e falha. De maneira que ponha-no como incapaz ou diminuindo sua moral final com a cidade

3 – Caso o herói aja de maneira considerada errada, atacando pelas costas, roubando ou traindo algum grupo conhecido.

Reação: A cidade toda o crucificará. O herói passará a ser alvo de críticas de todas as castas sociais e ser tido como não salvação da cidade.

4 – Caso o herói desenvolva alguma forma de mutação (como as do homem aranha em certa fase do herói).

Reação: A mídia pode começar a trabalhar a hipótese do herói perder o controle em algum momento, alegando que os heróis que eles conheciam está dando lugar a uma aberração descontrolada.

Lembrando que vida de herói não deve ser fácil. Os relacionamentos podem ser vigiados, os passos controlados e até mesmos atos do cotidiano podem ser notícias para esses jornais. Os heróis (principalmente os que revelam sua identidade) precisam entender como é ser uma celebridade, como é ter sua privacidade violada todo santo dia.

Espero que essa tabela que eu uso tenha ajudado. Vez ou outra sempre acrescetamos coisas nela, se assim for, eu faço uma update por aqui.

Nem toda namorada aceita que você ande por aí segurando outras nos braços

Considerações e Projetos 02/18/2009

Posted by Ágatha Guedes in Opinião e Bate Papo.
Tags: , , , , , ,
5 comments

Bom, depois de um tempinho longe, voltei aqui para continuar minha saga contra a não feminilidade nas mesas de RPG pelo Brasil afora. Como podemos ver, temos a Elisa, a Ray, a Ana (Ana ainda não comentou, mas sei que ela existe) e imagino que hajam muitas outras gurias RPGistas por aí. Fiquei muito feliz quando voltei e vi os comentários repletos de opiniões construtivas e pessoas que, de uma forma ou de outra, adicionam cada dia mais para o RPG Nacional e para os blogs sobre o tema. Gostaria de agradecer aos que comentaram, vocês foram de uma importância fundamental.

Para não vir aqui apenas para puxar saco dos leitores (ainda que poucos) venho também falar sobre dois projetos meus, um, que vem logo depois desse post e o outro que vai levar mais um tempinho, mas que vai valer mais pela espera.

Logo em seguida a esse post (vai ficar estranho isso, afinal, vocês vão ler o outro post primeiro que esse) eu postarei uma nova “regra” que criei para Mutantes e Malfeitores, para “Exposição“, como achei por bem chamar. Em seguida (e com mais tempo) vou terminar e publicar aqui o cenário que estou terminando em parceria com uma amiga (Gleyce) e o mestre do meu grupo (e esposo). O cenário tem pitadas cômicas e bem sacadas (assim esperamos) e lida com super heróis em sua época mais “complicada”, na terceira idade, por assim dizer. É um cenário onde os idosos começam a perceber que vivem mais tempo ao lutarem contra o crime, assim, surge uma enxurrada de super heróis fantasiados e geriátricos. O nome é “Clube da Melhor Idade“. Espero que vocês gostem. Por hoje é só, pessoal.

Reclamar é cool! 02/11/2009

Posted by Ágatha Guedes in Opinião e Bate Papo.
4 comments

Podemos perceber uma tendência hoje em dia ao repúdio do que é novo. Na internet principalmente, você vê todo mundo reclamando e criticando as novidades, mas dias depois o crítico já está nos braços da mesma. É um novo hype criticar, seja um evento, seja um sistema, seja um texto ou até mesmo um blog. É incrível como todos na internet parecem ser a Sheila Mello, sempre têm uma opinião (que nem sempre é útil) a dar. Quer um teste?

Entre numa comunidade sobre RPG e crie um tópico. Pode ser um tópico falando de qualquer coisa. Em menos de uma hora você vai ver como vão surgir três tipos de pessoas para comentar:
1) Aquele que vai opinar e mostrar que sabe mais que você: Nunca que Ars Mágica é bom. D&D sim é um sistema medieval fantástico e com conteúdo de sobra para os jogadores;
2) Aquele que vai te ofender e no fim das contas não vai acrescentar nada ao tópico: Ahá, só mesmo um idiota vai ficar jogando Paranóia quando tem tantos jogos atuais hoje em dia (sic).
3) O que vai fazer os dois ao mesmo tempo: Você precisa ser muito idiota pra achar que Ars Mágica é melhor que D&D. Eu mesmo criei um sistema maravilhoso. Um dia posto em algum lugar pra você ler.

Já percebeu como pouquíssimas pessoas hoje em dia sabem o que significa a palavra “fórum” ou até mesmo “discussão”? As pessoas acham que ir a um forum (ou a qualquer rede com o mesmo objetivo) e “discutir” é arrumar briga com todos. Você pode expressar sua opinião, mas fazendo de forma que respeite a opinião do companheiro ali presente e no fim das contas, vai acrescentar muito mais ao tópico do que simplesmente xingar e sair correndo.
A covardia digital está tão em alta hoje que muitos criam perfis fakes apenas para poderem “falar o que pensam” mas sem botar a cara a tapa. Se nossa opinião é a única coisa que temos, porque nos esconder atrás de perfis falsos apenas para expô-la?
Isso tudo, é claro, acaba prejudicando o RPG também. É comum você ver alguém com teorias boas, idéias bacanas, dúvidas pertinentes e logo em seguida uma enxurrada de críticas e xingamentos ao “noob” que criou o tópico ou perguntou algo. O novo D&D está aí quase dentro de nossa casa, o 3.5 continua onde está, a Daemon ainda existe, Cyberpunk ainda é um dos melhores cenários para mim, Reinos de Ferro continua na Jambô e todo mundo tem um pouco de coisa pra fazer. Não é crime não gostar de algo que está na moda, assim como também não é nenhum crime gostar.

Tem alguém ouvindo ainda?

Tem alguém ouvindo ainda?

A Diversificação ou a Campanha? 02/10/2009

Posted by Ágatha Guedes in Opinião e Bate Papo.
4 comments

Dentro de um cenário de RPG, temos possibilidades infinitas de criação de aventuras e de divertimento. Um dos fatos que mais nos assolam como jogadores e mestres são os términos inesperados de uma campanha que você esperava durar um pouquinho mais.
Com nosso mestre (que pra quem não sabe também é meu esposo) nós temos um grande problema: Nunca sabemos se teremos uma campanha ou uma aventura “four-shot”. É incrível como uma mente que trabalha pode mudar de idéia tão rapidamente.
A idéia desse post é exatamente isso, discutir as possibilidades e vantagens a respeito de aventuras “four-shot” ou campanhas.

Campanhas
Para os que não sabem, campanhas são aventuras com os mesmos personagens por diversos objetivos e obstáculos, normalmente durando muito mais tempo do que podemos imaginar. Campanhas exigem um maior entendimento de um cenário ou de um sistema (nem sempre) e é legal acompanhar a evolução de um personagem e o cumprimento de seus objetivos.

One-Shot ou “Four-Shot”
One-Shot ou “Four-Shot” (como nós apelidamos as aventuras rápidas que duram um pouco mais do que “apenas um dia”) são aventuras mais rápidas, mais dinâmicas e, na minha humilde opinião, são mais bem trabalhadas do que as campanhas, porque foca apenas nas partes “importantes” de uma aventura, não perdendo muito tempo em viagens ou em tavernas sem acontecimento algum.

Recentemente tivemos um impasse em nossa campanha e ainda estamos tendo. Segundo nosso mestre, nós ficamos por longos 8 anos jogando apenas Daemon, e hoje somos apaixonados por D&D, o que nos leva a crer (segundo ele) que já poderíamos ter conhecido D&D há mais tempo do que o simples “agora. Em seu argumento, nosso mestre diz que RPG é diversão e entretenimento, não podemos nos prender a apenas um cenário e apenas a uma campanha quando tanta coisa boa tem surgido. Nisso eu concordo com ele. É horrível ver o Mutantes e Malfeitores na estante e sabermos que não teremos tempo para desfrutá-lo tão cedo.
É engraçado notar que muitos grupos gabam-se por jogarem campanhas infinitas, ou que duraram algumas dezenas de anos. A questão só começa a ficar curiosa quando vemos por outro lado: Quanto eles já deixaram de jogar e de conhecer apenas por jogarem a mesma campanha há décadas? É possível jogar aventuras enormes e se divertir tanto quanto aventuras com começo, meio e fim?
A resposta pra essas perguntas eu deixo para vocês, queridos leitores.

Campanhas ou one-shot? Indecisão é um ponto forte no nosso grupo.

Campanhas ou one-shot? Indecisão é um ponto forte no nosso grupo.

Um Blog a mais 02/09/2009

Posted by Ágatha Guedes in Opinião e Bate Papo.
Tags: , ,
7 comments

Olá, bom dia, boa tarde ou boa noite. Este é o primeiro post dentro do Blog Dados Cor-de-rosa e vou tentar abranger o máximo possível de informação para que eu evite voltar a falar disso no futuro.
Meu nome é Ágatha Guedes, jogo RPG há algum tempo e tenho preferência por temas que explorem mais a socialização do que a destruição em massa de bichos sem cérebro.
Sou casada e conheci meu marido jogando RPG.
Seria bom delimitarmos o caminho que vamos seguir aqui para deixarmos claro a direção que estamos tomando.
Para começar achei uma boa reproduzir parte do texto do Lote do Betão que encontrei em seu blog. É claro que para lerem na íntegra terão que visitá-lo. Durante o tempo que andei pesquisando, percebi também que não existia nenhuma lista dessas feitas por uma mulher. Como assim? Quer dizer que os homens precisam aconselhar os outros homens a como se tratar uma garota? Tenham dó, né. Por isso, eu resolvi fazer minha própria lista. É minha missão para o próximo post. Tenho certeza que depois que lerem a tal lista, vocês pensarão duas vezes em atentar as incautas garotas que dirigem-se às suas mesas. Mas se ainda assim vocês insistirem em agir como Conan quando vê uma mulher amarrada com correntes, vão em frente. Conan tremeria diante da minha fúria.

Olha o texto aí.

O Lote do Betão: No evento de RPG ela recebeu, nos dois dias, mais de 50 comentários estúpidos. Alguns menos explícitos e outros bem mais. Chegou mesmo a ficar constrangida com algumas das barbaridades que ouviu…continue lendo aqui